Desconectar é preciso




Por Pâmela Mezzomo


Sim, na era da conectividade e da alta produtividade é preciso desconectar!


Se observarmos bem, estamos conectados o tempo todo, seja com um smartphone na palma da mão, seja no trabalho, para estudar, nos momentos de lazer para postar as fotos tiradas em busca de alguns likes, nos momentos de descanso olhando o que acontece nas redes sociais... Passamos a maior parte do nosso tempo conectados. Mas, até que ponto isso é saudável? É necessário impor limites ou as pessoas devem continuar nessa rotina de conexão frenética para estarem sempre atentas ao que o mercado de trabalho exige e o comércio nos oferece? Temos realmente que fazer aquele investimento de tempo e dinheiro para sermos felizes? E se fizermos o investimento, é por uma escolha nossa ou da sociedade?


Pois bem, eu alimento a tese de que é preciso desconectar para poder continuar.


Quando estamos o tempo todo conectados, em busca de aperfeiçoamento e alta produtividade, deixamos de lado o tempo necessário para assimilar os aprendizados, para exercer o autoconhecimento e entender se aquele caminho é o que realmente queremos seguir, ou até mesmo se o reflexo das escolhas é o que desejamos para nós.


Vejo pessoas fazendo várias coisas ao mesmo tempo, investindo tempo e dinheiro sem nem se quer ter definido aonde querem chegar ou qual a aplicabilidade daquele investimento em sua jornada, seja profissional ou pessoal. Vejo pessoas adotando comportamentos em massa, reflexo de ações das pessoas com quem convive, mas sem nenhum fundamento lógico para o seu próprio ser, para os seus objetivos de vida. Vejo uma competitividade desnecessária - porque Fulano ou Beltrano fizeram certas escolhas eu também tenho que fazer, não quero ser “menos” que eles. Mas quem define o que é ser menos ou mais que alguém?


Será que o resultado desse investimento será positivo ou essa pessoa ficará frustrada por não alcançar o mesmo resultado que o outro alcançou?

É preciso olhar para si mesmo para definir aonde quer chegar. Aquelas horas que você gasta com redes sociais, sem nenhum objetivo, apenas para “matar o tempo” podem ser utilizadas para essa reflexão, para definir o que você realmente quer para seu futuro e refletir se determinada ação ou desejo são motivados por vontade própria ou por um comportamento em massa que muitas vezes não reflete o seu verdadeiro “Eu”.


Planeje alguns minutos diários de desconexão total e, durante esses minutos, reflita se você está percorrendo o caminho que gostaria, se as ações daquele dia te levarão para o ponto onde quer chegar ou se estão apenas distraindo sua caminhada.


O corpo humano precisa de pausas para poder prosseguir com sabedoria. Estar ocupado o tempo não é sinônimo de produtividade, mas pode ser sinônimo de falta de planejamento.


Se a sua conclusão sobre as ações adotadas e o destino desejado foi frustrante, não desanime, o primeiro e mais importante passo para chegar ao destino certo você já deu, que é reconhecer que está no caminho errado. O próximo passo é traçar uma nova rota para aquele destino.


Vamos desconectar para exercitarmos o autoconhecimento e tomarmos decisões baseadas no que realmente queremos para nós.


Desconecte-se primeiro, para depois se reconectar com sabedoria.


Por Pâmela Mezzomo

Revisado por Jefferson Sampaio de Moura

121 visualizações